Meu Chefe Esta Papando Minha Noiva 3

Click to this video!

Parte 1 e Parte 2… Aquele caso estava ficando realmente muito enrolado, o meu tesão começou a se misturar com uma preocupação terrível! Eu não queria ficar com fama de corno na empresa, já era desconfortável saber que meu chefe me olharia de uma forma diferente todos os dias, do tipo “comi sua noiva”, agora imagine só, saber que alguém a mais da empresa ficou sabendo e que isso poderia se espalhar para todo mundo, como eu ficaria nessa história?
Perguntei para Cláudia quem é que tinha visto ela? Ela pediu calma e disse que me contaria tudo, que muita coisa tinha acontecido na minha ausência. Obviamente eu gelei inteiro, esse: “muita coisa”, me assustou. Fiquei quieto e pedi a ela, que continuasse a contar.
Cláudia disse que entrou no quarto e ficou desesperada, o fato de outra pessoa ter visto o que estava acontecendo incomodava muito a ela… Sem contar que começou a bater um peso forte em sua consciência, pois ela estava se sentindo culpada por ceder ao meu chefe e deixar aquela situação chegar onde estava e, por isso, ela foi tomar um banho para relaxar e tirar toda aquela porra e logo depois resolveu ir dormir, só que antes colocou o celular para tocar as 9h30.
A verdade é que ela não queria correr o risco de se atrasar e ferrar mais ainda as coisas, por isso acordou no horário determinado e foi tomar seu banho matinal. Disse ela, que ficou quase meia hora no chuveiro, se enxugou, colocou a toalha no cabelo e saiu do banheiro. Quando abriu a porta, ela quase teve um treco, pois dentro do quarto estavam o Sr. Plínio e o funcionário que a tinha visto nua na madrugada.
Cláudia engoliu a seco aquele momento e tentou se cobrir com a toalha, Plinio falou na hora:
“- Pra que se cobrir? Pode ficar do jeito que tá, nós dois já vimos você pelada, relaxa!”
Mesmo morrendo de vergonha ela atendeu o que meu chefe pediu, deixou a toalha de lado, continuou nua na frente dos dois e perguntou:
“- O que está acontecendo…, porque ele está aqui?”.
Na hora Plínio colocou um sorriso no rosto e disse:
“- Ele está aqui porque você é descuidada! Não presta atenção em nada! Aliás, o nome dele é Ronaldo e é um dos meus melhores funcionários. Hoje, no café da manhã, ele veio me contar o que havia presenciado.”
Quando Cláudia falou isso eu gelei, puta merda, logo o Ronaldo?! Ele era meu supervisor direto, um cara chato pra caralho…, só pra vocês terem uma ideia, ele tem uns 45 anos, é um bajulador de marca maior, fofoqueiro, barrigudo, careca e punheteiro, o cara fala de mulher o dia inteiro, mas não pega ninguém e para piorar, pega no meu pé a todo o momento, resumindo, fodeu!…
Continuando, Cláudia ouviu o que o meu chefe disse, mas não estava entendendo o porquê de o Ronaldo estar ali, foi aí que ele completou:
“- Vou direto ao assunto Cláudia, fiz um acordo com o Ronaldo para ele não bater com a língua nos dentes, imagina você, ele contando pra todo mundo que viu você pelada saindo do meu quarto? Sorte que ele veio falar comigo primeiro…”.
“- Que acordo é esse Sr. Plínio?”
“- É o seguinte, você vai fazer um serviço pessoal para ele, coisa rápida! Uma chupada e uma foda e não se fala mais nisso, você não vai ter problema nenhum depois disso.”
Cláudia gelou inteira, ela não queria chupar o Ronaldo por nada, mas não podia colocar tudo a perder agora, ela sabia que aquilo poderia me ferrar totalmente, ela parou um tempo e ficou pensando, sem atitude, até que Ronaldo foi a sua direção, pegou em seu braço e começou a chupar seus seios.
“- Nossa, que delicia! Não acredito que o Júlio tem isso todo dia.”
Minha noiva continuava imóvel, até que ele mandou que ela se ajoelhasse, Cláudia se ajoelhou imediatamente e Ronaldo (totalmente afoito) abaixou sua bermuda e colocou uma ferramenta pequena, porem grossa, para fora e rapidamente levou em direção à boca da minha noiva.
Ela não se fez de rogada, queria acabar logo com aquilo e caiu de boca na rola dele, chupava o pau, as bolas, dava pequenas mordidas e acelerou bastante a chupada enquanto o FPD gemia igual a um cachorro e falava:
“- Que boca deliciosa, é a melhor chupada que eu já ganhei…, vaaaiii, chupa e engole toda minha porra…”.
Cláudia trabalhava com maestria naquela rola e logo Ronaldo não aguentou, despejou todo seu leite em sua boca, obviamente ela engoliu tudo com pressa, para terminar logo o serviço.
Ronaldo tirou a pica de sua boca e com ela ainda dura deu algumas batidas em sua cara, uma passada de rola em seu cabelo e disse:
“- Vagabunda! Como você é gostosa, fica de quatro que eu quero rasgar sua boceta.”
Minha noiva não se moveu, olhou para o Sr. Plínio, que naquele momento estava acompanhando toda a ação com seu pau na mão e disse:
“- Pode ir Cláudia, deixa o Ronaldo te comer…”.
Ela saiu lentamente, se posicionou na cama, com a bunda virada para o babaca e abaixou a cabeça, deixando suas ancas bem empinadas e, quando Ronaldo viu aquilo, ficou alucinado, já foi agarrando a cintura da minha noiva com força e tentando penetrar sua rola grossa em sua bocetinha. Como por instinto, Cláudia tentou dar uma escapada dele, mas obviamente não conseguiu, e em pouco tempo, ele já estava gemendo e penetrando aquela boceta maravilhosa que até pouco tempo tinha sido só minha!
Ronaldo não acreditava na sorte que estava tendo, o cara não comia ninguém e agora tinha à sua mercê, uma gostosa daquelas, minha noiva era um tesão e o cara estava mandando ver nela. Quando não aguentava mais, ele começou a gozar igual a um cavalo em sua bunda, deixou seu rabo todo gozado, nesse momento Sr. Plinio entrou no assunto:
“- Pronto Ronaldo. Agora guarda essa merda aí e some daqui e, já sabe, se falar alguma coisa do que aconteceu aqui você tá na rua.”
Sem perder nenhum minuto ele guardou sua jeba, deu um beijo em Cláudia e saiu do quarto, deixando Plinio e minha noiva a sós, Cláudia achou que já ia entrar na rola de novo, mas não foi isso que aconteceu, meu chefe tinha outros planos…
Ele pediu pra que ela se limpasse rapidamente, Cláudia entrou no banheiro, bateu uma água no corpo e voltou para o quarto. Plínio olhou para ela e disse:
“- Coloca essa roupa aqui que eu separei para você, coloca ela e um fio dental por baixo, nada mais que isso. Eu não quero você com a parte de cima do biquíni.”
Minha noiva bateu os olhos e viu um camisão, daqueles feitos de um material parecido com lycra, que gruda no corpo, ela era comprida, mas pequena, Cláudia pegou na mão e disse:
“- Isso não vai servir em mim, é muito pequena.”
“- Cláudia, faz o que eu estou mandando, coloca logo esse camisão, vai ficar muito bem em você.”
Sem opções ela foi logo colocando o fio dental e na sequência a camisa, quando ela acertou no corpo, viu que realmente havia ficado pequena! Era bem agarrada, os peitos quase escapavam pela parte de cima e embaixo deixava a popa da bunda quase aparecendo, se ela abaixasse para pegar algo, sua bunda ficaria à mostra com certeza.
Quando meu chefe a viu vestida daquele jeito quase ficou louco:
“- Que tesão! É exatamente do jeito que eu imaginava.”
Cláudia ficou um pouco envergonhada, ele veio em sua direção e deu um beijo forte e duradouro, sempre segurando em sua bunda, olhou bem nos olhos dela e disse:
“- Vem, agora é hora de passearmos na praia.”
Totalmente sem reação Cláudia foi seguindo o Sr. Plínio, saíram do quarto e foram para o carro, ela estranhou, pois a praia ficava logo em frente à pousada, mas ele rapidamente se explicou:
“- Nós vamos a uma praia mais distante daqui, não quero que o pessoal da empresa comente o que está acontecendo.”
Confesso que isso me deixou um pouco mais aliviado, eu já tava fodido mesmo, mas, pelo menos não ficaria muito mal falado lá no trabalho.
Cláudia disse que eles andaram uma meia hora de carro e pararam em uma praia mais distante, muito bonita e com algumas pessoas (não muito cheia), eles desceram do carro e todo pessoal começou a olhar para minha noiva, ela disse que era o centro das atenções, pois aquela camisa (além de curta) era um pouco transparente e do jeito que o sol batia, era possível ver que ela estava sem a parte de cima do biquíni.
A vergonha bateu na hora, mas ela continuou seguindo meu chefe. Eles foram andando até a areia e pararam perto de alguns surfistas, que obviamente não paravam de fitar o corpo gostoso da minha noiva, e se sentaram a uma sombra, Plínio estendeu uma canga na areia e disse para Cláudia ficar ali, daquele jeito, sem tirar nada, que ele iria pegar uma cerveja e já voltaria. Quando chegou ele deu uma cerveja para minha noiva e disse:
“- Acho que está hora de você fazer um topless, o que acha? Tá quente dá para se bronzear e eu não quero você com marca de camisa.”
Cláudia ficou vermelha na hora, mas atendeu ao pedido dele, tirou o camisão agarrado e ficou tomando sol só de fio-dental, imagina só, ela transformou-se na alegria da praia. Todos os marmanjos paravam e ficavam secando minha noiva e seus lindos seios, alguns até falavam algumas bobagens. Ela disse que eles ficaram ali por quase duas horas, até que o meu chefe mandou que ela colocasse o camisão de novo, pois eles iriam dar uma volta.
Ela se vestiu e começaram a andar na praia, sem trocar uma palavra se quer! Foram até ao fim da areia e entraram em uma parte mais isolada, onde havia umas pedras, chegando nessa parte, ele puxou Cláudia pelo braço, levou ela atrás de uma pedra e forçou-a em direção a sua rola.
Minha noiva ajoelhou-se na areia e ele colocou a rola para fora e, sem falar nada, ela caiu de boca e começou a chupá-lo ali mesmo! Olha a sorte do filho da mãe, estava ganhando uma chupeta na praia… Ela disse que ele não se importava com nada, nem com o risco de alguém aparecer ali, só queria saber de ganhar uma gulosa.
Cláudia chupava como ninguém e, ele, já estava ficando louco, só que antes de gozar ele agarrou-a novamente, colocou minha noiva em pé, de costas para ele, apoiada em uma pedra, ergueu o camisão até a cintura, colocou a calcinha de lado e enfiou sua rola ali mesmo…
Minha noiva disse que naquele momento ela foi tomada por um calor infernal, ela disse que o tesão pelo fato de estar dando na praia, e pela forma com que ele a pegava, deixou ela louca. Agora a coisa tinha ficado séria, ela rebolava e gemia na rola dele… Plínio agarrava em seus seios, chupava seu pescoço (eu pude ver as marcas), e comia sua boceta com vontade. Disse ela, que a trepada durou quase meia hora… Quando não aguentava mais, o Sr. Plínio a segurou forte pelos cabelos, puxou ela rente ao seu corpo, e gozou fartamente dentro da minha noiva.
Eles estavam acabados, voltaram para o carro rumo à pousada e, chegando lá, cada um foi para seu quarto, Cláudia disse que depois daquilo ele não procurou mais ela, só que ela não parava de pensar nele.
Eu, ouvindo tudo que tinha acontecido, ainda queria pegar meu chefe, mas o fato de ela ter gostado e pensar nele, tinha me deixado muito confuso, no final das contas, resolvi que o melhor era ficar na minha (empregado) e tentar tocar como se nada tivesse acontecido!
O único problema agora é que eu ainda acho que minha noiva continua saindo com meu chefe… Ela fala que não, mas sabe como é né? Corno é sempre o último a ficar sabendo…

Meu Chefe Ainda Papa Minha Noiva