Estórias de Academia – Capítulo 1 – Andréia Casada Carente

Click to this video!
Autor

Fala Pessoal. Decidi começar uma série de situações REAIS que ocorreram comigo nesses anos trabalhando em academia. Para não ter risco de ser reconhecido, irei utilizar um nome falso, porém manterei os nomes verdadeiros das mulheres nos contos. Se gostarem vou dando continuidade a esses contos. Pois são muitas estórias deliciosas que decidi compartilhar com vocês. Andréia é a primeira dessas estórias.
Meu nome é Gui. Hoje tenho 30 anos e já sou formado em educação física a 10. Sempre fui muito cuidadoso com meu corpo. Sou alto, 1,80 de altura, sarado, cabelos loiros e olhos verdes.
Na época eu estava começando a trabalhar em uma academia no Rio de Janeiro, e estava com 22 anos. Nessa academia conheci Andréia, uma aluna recém matriculada. Andréia tinha 42 anos, mas seu corpo não dizia isso. Era loira de cabelos longos e lisos. Tinha um peito empinadinho. Não era gorda, tinha um corpo normal. Suas pernas eram bem torneadas e sua pele era branca clarinha.
Acabei caindo em suas graças pois fui eu que passei a sua primeira série na academia. Desde então sempre conversávamos durante a pausa entre um exercício e outro. O tempo foi passando e a amizade aumentando. Então ela resolveu me contratar como personal, o que era ótimo, pois além de ganhar uma graninha a mais, ficaria mais tempo com ela também. Sempre fui profissional, nunca assediei uma aluna minha, mas não nego que aquela mulher as vezes me deixava com o olhar perdido olhando ela treinar . Sempre fazia questão de elogiar ela, tanto seu treino, quanto seu físico. Ela gostava, dava um ânimo a mais para ela continuar treinando e passando seus próprios limites.
Logicamente nossos papos acabaram se tornando um pouco mais íntimos também. Ela me contava coisas sobre seu casamento, e eu lhe contava sobre as minhas aventuras em noitadas, o que sempre divertia ela.
Certo dia Andréia estava muito desanimada. Tente bota-la pra cima novamente mas não surtia muito efeito. Perguntei o que estava se passando, e então ela finalmente desabafou comigo:

-Eu não sei pra que treino tanto… O Róbson(seu marido) não se preocupa em cuidar do corpo, mas isso nem é o problema… Eu treino pra ficar linda, mas só recebo elogios vindo de você, porque ele nem nota. E pra piorar … Deixa pra lá.

-Pode falar, Põe pra fora…

-Poxa Gui, eu não me sinto desejada, ele não me procura mais sabe … sei lá, isso baixa a auto-estima da mulher.

-Quem tá perdendo é ele – Falei – Olha, com todo respeito, mas o cara que tem uma mulherona dessa em casa e não aproveita, tem que ta com algum problema sério.
E logo após emendei:
-Eu não daria esse mole…

Andréia finalmente voltou a dar um sorriso, e voltou a treinar com um pouco mais de concentração agora. Fez o que tinha que fazer e voltou para a realidade de sua casa.
A noite, eu recebo um Whatsapp de Andréia, me agredecendo pelo dia e pela força no treino. Mas não parou por ai. Ela também começou a a fazer umas brincadeiras um pouco mais quentes. Dizia que tinha saudades da vida de jovem, que tinha vontade de viver isso outra vez, porque ela fazia loucuras nessa época. E dai começou falar algumas coisas que começaram a me deixar louco:
-To deitada na cama só de camisolinha sem sutiã e meu marido ta vendo futebol americano acredita ? Nem olha pro lado.

Resolvi então cair na brincadeira também.
-Nossa, hahahahah que bobo ele… como pode? Ai ele tá dando muita chance.

-Chance pra que ? – Perguntou Andréia

-Chance pra outra pessoa aproveitar o que ele não ta aproveitando hahahaha.

-Hum … Verdade. Acho que isso logo logo vai acontecer …

-Que isso Andréia, relaxa, daqui a pouco ele vai se tocar, não é possível.

Andréia então falou que ia tentar ir dormir. Se despediu de mim e confirmou a aula do dia seguinte.
Já pela manhã, Andréia chegou para seu treino. Não sei se era a minha cabeça, por conta das conversas do dia anterior, achei que ela estava mais gostosa do que o normal. Ela botou um body colado, o que delineou bem as curvas do seu corpo. Durante todo o treinamento, sentia que ela ficava me provocando, fazendo algumas piadinha de segundas intenções. No final do treino, já era quase meio dia. Andréia perguntou se eu tinha horario de almoço. Respondi que sim, e ela me convidou para almoçar em sua casa que era alguns quarteirões dali. Aceitei o seu convite. Assim que entramos no seu apartamento, Andréia perguntou se eu não queria tomar um banho. Não era necessário, respondi. Andréia então tentou uma segunda vez falando de uma maneira diferente:
-Bom, azar o seu, eu vou tomar o meu bem gostoso.

Aquilo me deixou de pau duro. Ela saiu rebolando na minha frente. Não aguentei e fui atrás dela. Antes dela entrar no quarto eu a peguei pelo braço e puxei para perto de mim.
-Ta querendo me provoca né? Sou eu que vou ter que fazer o que o maridão não ta fazendo?

Andréia começou a rir e ficou um pouco corada.
-Até que enfim você percebeu …

Começamos a nos beijar loucamente. Fomos nos agarrando até a sua cama. Ela tirou a minha camisa, sentou na cama e abaixou a minha calça de treino. Pegou no pau e já começou a me masturbar. Logo depois, iniciou um delicioso boquete que me deixou maluco.

-Isso, vai Andréia, chupar esse cacete gostoso. puta que pariu que boquinha gostosa …

Andréia chupava com mais volúpia ainda. Dava pra perceber que a muito tempo ela não tinha um caralho em mãos.
Andréia parou de me chupar e pediu pra eu ajudar ela a tirar a sua roupa. Prontamente atendi. Deixei ela nua na minha frente, e pela primeira vez pude notar o quanto de fato ela era linda. Seus seios eram redondinhos, e o mamilo pequeno de tom rozadinho fazia contraste com sua pele Clara. Andréia foi até a mesinha da sua cama, e pegou uma camisinha. Botou no meu pau e se deitou na cama abrindo as pernas.
-Me come, acaba comigo até eu não aguentar mais.

Fui por cima dela e encaixei meu pau na sua xota que já estava molhada nesse momento. Comecei a enfiar gostoso, num ritmo frenético. Andréia gemia alto e pedia pra eu meter com força. Eu a obedecia, e estocava meu pau até o fundo da sua buceta. Ela urrava de tesão. Eu Chupava seu peito gostoso, mordicava as vezes .
-Me come de quatro – Então ela disse.

Ela arrebitou o seu traseiro e mais uma vez enfiei nela, dessa vez num ritmo frenético. Andréia tinha um gemido de puta muito gostoso, que me deixava com mais tesão ainda. Me debrucei sobre suas costas, abracei a sua cintura, e dessa vez eu metia com muita força.
-Ai, assiiim, vai, me come como uma cadela vai! Mete esse caralho duro em mim.

Fui metendo cada vez mais forte até não aguentar e gozar. Na mesma hora o corpo de Andréia se estremeceu todo ! Ela gozou junto comigo, e soltou um gemido final junto com um suspiro. Tirei o meu pau de dentro dela e fui tirando a minha camisinha. Então despejei toda a porra que eu tinha gozado na sua bunda.
-Ah Safado, quer me deixar toda melada né .

Depois tomamos um banho gostoso juntos, aonde ela mais uma vez me fez gozar, dessa vez com um boquete maravilhoso. Ela era tão cachorra, que engoliu tudo, e ainda fez cara de satisfação .

Minha estória com Andréia teve continuidade por alguns meses ainda, quando depois de um tempo ela se separou do marido, e teve que se mudar de casa. Após esse dia ela nunca mais voltou na academia e se esqueceu de mim por completo.